Páginas

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

OS TEATROS DE CAMPINAS ESTÃO MORTOS !

 

Centro de Convivência é lacrado em Campinas 

Teatro possui risco de incêndio, que pode ser causado por curto circuito devido às infiltrações 

 
A Secretaria de Urbanismo interditou na tarde do dia 14 de dezembro o teatro Centro de Convivência Cultural, na Praça imprensa Fluminense, no Cambuí, em Campinas, por tempo indeterminado.
 O laudo emitido pela pasta e pela Defesa Civil aponta que o espaço possui risco de incêndio, que pode ser causado por curto circuito devido às infiltrações.
 O ambiente foi considerado insalubre e sem garantia de estabilidade e segurança, de acordo com o relatório. A fiscalização foi solicitada pela própria Prefeitura de Campinas. Para os ensaios e apresentações da Orquestra Sinfônica Municipal está sendo estudada a viabilidade de utilização dos espaços do teatro do Sesi e da Estação Cultura.
No momento da lacração, um grupo de dança estava no palco do teatro. Neste final de semana estava prevista a apresentação da Orquestra Sinfônica de Campinas.
Através de nota oficial enviada pela Prefeitura de Campinas, a ainformação é de que a interdição ocorreu no palco do Teatro Luís Otávio Burnier, localizado no Centro de Convivência Cultural.
 A medida foi tomada com base em laudo encomendado pela Administração municipal à Secretaria de Urbanismo que, em vistoria técnica, constatou a falta de segurança, como risco de curto-circuito. Mesmo com prejuízo para a programação do final de ano, a determinação da Prefeitura foi pautada pela necessidade de manter a segurança de público, funcionários e artistas.

A Prefeitura está fechando parcerias para manter a programação de fim ano. Nesse sentido, o teatro do SESI vai receber os ensaios da Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas e possivelmente outros espetáculos que estavam agendados. A Prefeitura informa ainda que a apresentação da Orquestra no próximo dia 23 de dezembro no Teatro de Arena está mantida.

O teatro nunca foi fechado para uma grande reforma e a obra está prevista para ocorrer no próximo ano.
 
 Teatro Castro Mendes precisa de mais R$ 5milhões
 Teatro Castro Mendes, em obras desde 2010 e a Praça Correia de Lemos: vista do alto revela sinais de abandono

 Empresa apresenta custos a prefeito em visita a obras

 Para concluir as obras do Teatro
Castro Mendes, iniciadas em julho
de 2010, a Prefeitura ainda tem de
pagar R$ 5,7 milhões à empresa
MVG Engenharia e Construção Ltda.
A quantia refere-se ao restante
do primeiro contrato, de R$ 2,8 milhões,
além do aditivo de R$ 2,9 milhões.
Os valores foram apresentados
pela empresa ao prefeito Pedro
Serafim, durante visita ao teatro
ontem. A MVG informou que as
obras seguem normalmente e que
os trabalhos deverão ser concluídos
em abril. Serafim argumentou que é
preciso analisar o orçamento da Secretaria
de Cultura e não quis firmar
data para reabrir o teatro.
  ASAS BRANCAS
 

 

3 comentários:

  1. E o fosso? Esqueceram dele? Não compreendo. Não temos nenhum teatro com fosso. Isso vem limitando boas apresentações. Ah! esqueci. Quando quisermos ir a um bom teatro, vamos todos para Paulínia! Liliana

    ResponderExcluir
  2. Amiga, a Petição Pública que criei para forçar a recolocação do fosso do Catro Mendes está com 156 pessoas, acredite !

    ResponderExcluir