Páginas

terça-feira, 11 de setembro de 2012

AS MAIS DELICADAS


AS FLORES DE CACTUS
As flores da família das cactáceas se especializaram em viver em regiões de clima seco e aberto, com muita insolação e em solos formados por cascalho e areia, onde a água escoa muito rapidamente. 
Existem mais de 2.500 variedades de cactos, que crescem em diversos tamanhos e formas, podendo viver por muitos anos, sempre mantendo as suas cores e o seu vigor, embora atravessem grandes períodos sem chuvas.
São flores que se adaptam aos diversos locais, podendo ocupar espaços mínimos, seus tamanhos variam entre dois centímetros e dez metros de altura, qualidade essa que faz do cacto uma planta ideal para se ter em casa, porém necessitam de luz solar direta todo dia.
Para viver dessa forma, a planta possui alongadas e ramificadas raízes superficiais que aproveitam a pouca umidade do solo. Os espinhos ajudam, também, na redução da perda de água e na proteção contra predadores.
Mesmo sendo flores de regiões secas, no Brasil elas nascem em diversos tipos de ambientes, desde o Nordeste (mandacaru), passando pelo litoral (restingas) e chegando em Santa Catarina (flores-de-maio), com suas flores muito vistosas que atraem diversos pássaros.
Todas as variedades de Cactos florescem, e quando ocorre a primeira floração, passa a acontecer todo ano na mesma época em que floresceu pela primeira vez.
Quando cultivados em vasos, os Cactos devem ser expostos ao sol, com bastante ventilação e pouca umidade. Os mini-cactos, desses que encontramos à venda, possuem menor resistência à luz solar direta, permitindo cultivá-los em locais bastante iluminados dentro de casa, mas sem exposição direta aos raios solares.
Essas flores representam força, perseverança e fortuna. São indicadas para os sábios, os mais velhos e os astutos.
São inúmeras as espécies de flores e plantas que ao longo do tempo se acostumaram às mudanças bruscas de temperatura nos desertos do mundo, que variam de um calor de até 50 graus positivo durante o dia, caindo para um frio de menos zero grau durante a noite.
Isso obrigou essas espécies nativas a adaptarem-se, principalmente pelo solo arenoso e a falta de água. Existem espécies vindas dos desertos da África, Ásia, México e, principalmente, das caatingas os “desertos brasileiros”.
Subdividem-se em duas categorias as “suculentas” e os “cactos”, plantas que no seu estado nativo atingem de 1 a 3 metros de altura, atualmente, todas as espécies foram “miniaturizadas” para cerca de 20 centímetros.
 Através dos seus “espinhos”, o cacto protege suas flores que assumem diversas colorações, desde o branco, passando pelo amarelo, laranja e rosa, até o vermelho-brilhante. Nas noites de verão, cerca de meia hora depois de escurecer, suas flores exalam um perfume adocicado e típico que dura por toda noite.
 Os índios mexicanos utilizavam os espinhos do “cacto espinho de anzol”, que no deserto atinge 1 metro de altura, para fazer anzóis de pescaria, prática até hoje empregada em certas regiões do México.
Mas seus ancestrais, os “astecas”, utilizavam o “cacto bola” como mesa de sacrifício humano, ou seja, colocavam as pessoas que iam ser sacrificadas sobre a “bola do cacto” e depois arrancavam seu coração em oferecimento ao Deus Sol e ao Deus da Caça (MIXCOATL- nome indígena).
No deserto, o cacto serve de abrigo a muitas espécies de animais e pássaros, que se protegem construíndo suas tocas e ninhos no meio dos seus espinhos, o que impede o ataque de lobos e outros predadores.
Das milhares de espécies de cactos, as mais interessantes são: flor-de-maio, flor-de-outubro, mickey mouse amarelo e branco, espinho de anzol, mandacarú de algodão, mandacaru azul, xiquexique, boca de tigre, branca de neve, eufórbia rubra, estrelinhas, ninho de passarinho, bola de espinho vermelho, bola de cabeça grisalha, bola de espinho amarelo, bola de mamilos, espiral, aloe e fogo verde (nomes popular).

Como gosto muito de flor-de-cactus, por sua beleza e delicadeza, em 2010, no Dia dos Namorados, meu marido deu-me um belo Cactus Mandacaru, cuja flor, depois de alguns meses, descobri ser branca. Como a flor é efêmera, dura algumas horas apenas, fotografei cada fase dela, que recebí como beijos de meu marido, do botão até seu declínio e coloco aqui para dividir com vocês: 

O MEU MANDACARU 
E assim foi-se embora minha linda flor-de-cactus ! Até o ano seguinte !...
Deu seu exuberante espetáculo, quietinha... durante a madrugada... e eu, de hora em hora, levantei-me e fui até ela... ficamos as duas num namoro silencioso enquanto minha câmera guardava para sempre seu lindo desabrochar... como um beijo romântico...(meu marido diz que não sou muito normal. Ele não tem razão: sou e quero continuar a ser completamente fora do normal, pois, é desta maneira que faço a minha leitura da vida !... rsrs...)

3 comentários:

  1. Carmen lins de Carvalho12 de setembro de 2012 10:37

    Sou do tipo apaixonada por flores. Gosto da Rainha ROSA, Dália, Orquidea. Cactos - a sempre bela,brilhante, para mim, tem o seu significado especial - o fato de ser uma flor solitaria, para mim ela é poderosa por isto.

    ResponderExcluir
  2. Belíssimas e apaixonantes.

    ResponderExcluir