Páginas

sábado, 15 de janeiro de 2011

FIM DE TARDE


Era já, em 1972 , a tragédia poeticamente anunciada !  A letra de Tom Jobim é basicamente descritiva, com uma atmosfera desencadeada pelas chuvas num ambiente mais rural, onde ele tinha seu sítio paradisíaco e que ontem foi completamente destruído. Trata-se de um mundo entre a natureza e a cultura, onde não há quase calçamento, fazendo os veículos atolarem e culturalmente modificado com a presença de carros e casas. É um mundo intermediário, de lama e de projeto. O projeto, no entanto, respeita o ciclo natural: só é possível começar de fato a construção da casa ("é o tijolo chegando") quando cessarem as chuvas. Com a terra seca e o outono, então uma nova vida pode lançar as bases. Mas infelizmente, temos de rezar para que as águas de março não continuem sendo promessa de morte e de destruição. Em 1972 havia menos casa, menos gente, menos violação à Natureza, mas agora a coisa ficou desenfreada e a região acabou protestando da pior maneira possível.

É preciso respeitar a Natureza, senão...

Elis Regina & Tom Jobim - "Aguas de Março" - 1974 


Águas de Março

Tom Jobim

 É pau, é pedra, é o fim do caminho
É um resto de toco, é um pouco sozinho
É um caco de vidro, é a vida, é o sol
É a noite, é a morte, é o laço, é o anzol
É peroba do campo, é o nó da madeira
Caingá, candeia, é o Matita Pereira
É madeira de vento, tombo da ribanceira
É o mistério profundo, é o queira ou não queira
É o vento ventando, é o fim da ladeira
É a viga, é o vão, festa da cumeeira
É a chuva chovendo, é conversa ribeira
Das águas de março, é o fim da canseira
É o pé, é o chão, é a marcha estradeira


Passarinho na mão, pedra de atiradeira
É uma ave no céu, é uma ave no chão
É um regato, é uma fonte, é um pedaço de pão
É o fundo do poço, é o fim do caminho
No rosto o desgosto, é um pouco sozinho
É um estrepe, é um prego, é uma ponta, é um ponto
É um pingo pingando, é uma conta, é um conto
É um peixe, é um gesto, é uma prata brilhando
É a luz da manhã, é o tijolo chegando
É a lenha, é o dia, é o fim da picada
É a garrafa de cana, o estilhaço na estrada
É o projeto da casa, é o corpo na cama
É o carro enguiçado, é a lama, é a lama
É um passo, é uma ponte, é um sapo, é uma rã
É um resto de mato, na luz da manhã
São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração
É uma cobra, é um pau, é João, é José
É um espinho na mão, é um corte no pé
São as águas de março fechando o verão,


É a promessa de vida no teu coração
É pau, é pedra, é o fim do caminho
É um resto de toco, é um pouco sozinho
É um passo, é uma ponte, é um sapo, é uma rã
É um belo horizonte, é uma febre terçã
São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração
pau, pedra, fim, caminho
resto, toco, pouco, sozinho
caco, vidro, vida, sol, noite, morte, laço, anzol
São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração.

 FRASE DA VEZ:

 "Vive em harmonia com as leis da natureza e nunca serás pobre." (Sêneca)

AZUL DE ANIL 

Um comentário:

  1. Existe algo pior que as "Águas de Março": elas se anteciparam para janeiro.

    ResponderExcluir