Páginas

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

A AUSENTE


A AUSENTE
Augusto Frederico Schmidt

Os que se vão, vão depressa,
Ontem, ainda, sorria na espreguiçadeira.
Ontem dizia adeus, ainda, da janela.
Ontem, vestia, ainda, o vestido tão leve cor-de-rosa.
Os que se vão, vão depressa.
Seus olhos grandes e pretos há pouco brilhavam.
Sua voz doce e firme faz pouco ainda falava,
Suas mãos morenas tinham gestos de bênçãos.
No entanto, hoje, na festa, ela não estava.
Nem um vestígio dela, sequer.
Decerto sua lembrança nem chegou, como os convidados —
Alguns, quase todos, indiferentes e desconhecidos.
Os que se vão, vão depressa.
Mais depressa que os pássaros que passam no céu,
Mais depressa que o próprio tempo,
Mais depressa que a bondade dos homens,
Mais depressa que os trens correndo nas noites escuras,
Mais depressa que a estrela fugitiva
Que mal faz um traço no céu.
Os que se vão, vão depressa.
Só no coração do poeta, que é diferente dos outros corações,
Só no coração sempre ferido do poeta
É que não vão depressa os que se vão.
Ontem ainda sorria na espreguiçadeira,
E o seu coração era grande e infeliz.
Hoje, na festa, ela não estava, nem a sua lembrança.
Vão depressa, tão depressa os que se vão…
(“A Ausente”. Augusto Frederico Schmidt, 1906-1965. In: Pássaro Cego, 1930)
 ONDE HÁ FUMAÇA...
 

2 comentários:

  1. Um lindo poema, de uma tristeza profunda, aliás, uma das idéias marcantes da obra do Poeta.

    ResponderExcluir
  2. Carmen Lins de Carvalho2 de março de 2012 05:39

    A morte, perda estão sempre presentes na poesia de Augusto Frederico Schmidt. Gosto muito.

    ResponderExcluir