Páginas

segunda-feira, 15 de julho de 2013

TEÚDA E MANTEÚDA


 TEÚDA E MANTEÚDA
(desconheço o autor)


Nós brasileiros que trabalhamos e produzimos, esperamos que esse início de ano seja de reflexão e que a sociedade como um todo, tome o mais rapidamente possível, consciência da situação de desgoverno em que vivemos. Esses últimos dez anos foram para o Brasil, anos de infelizes inovações. Um semi-analfabeto foi plantado na presidência da República e na sequência uma primeira mulher, totalmente despreparada para o cargo, mas mesmo assim, eleita presidente. Resultado da colheita: recorde mundial na produção de corruptos. Em um ano sete ministros de Estado, foram demitidos por serem ladrões do erário graças a denúncias da imprensa livre. Outros continuaram ministros porque sabiam demais.


Uma quadrilha formada nos podres porões do Palácio do Planalto composta por deputados, presidente de partido, tesoureiro de partido e banqueiros, vão para a cadeia graças ao Supremo Tribunal Federal (STF) que apesar de infiltrado por alguns ministros de reputação duvidosa, mesmo assim, deu prova de sua independência.
O Estado está aparelhado. Todos os cargos chaves da administração pública federal são hoje ocupados por cegos ideológicos, sindicalistas incompetentes e descarados beneficiários do sistema que usam o cargo para enriquecer, desde que paguem o dízimo ao partido e facilitem a ação de terceiros à chave do cofre . 


A meritocracia e principalmente o respeito à coisa pública passam longe. Tudo isso isso reflete de maneira altamente negativa na vida do país que esse ano já arrecadou em impostos um trilhão e quinhentos bilhões de reais. É muito dinheiro para alimentar ladrões e ser desperdiçado pelos pseudos burocratas incompetentes, pendurados no cabide oficial.
Temos uma educação que não educa, não prepara, a ponto de forçar o governo a criar o imoral sistema de cotas nas universidades para que esses despreparados não fiquem pelo caminho. Por que não melhorar o ensino básico? Cotas em universidades para negros, para índios e para os que cursaram escolas públicas não passa de descriminação. Negros, índios, e pobres não necessitam de cotas, necessitam dos meios que o governo não lhes dá.

2 comentários:

  1. carmen lins de carvalho15 de julho de 2013 19:54

    Esse autor desconhecido disse tudo! Comungo com ele! Passar o Brasil a limpo, eis a questão!

    ResponderExcluir