Páginas

sexta-feira, 19 de julho de 2013

A BELA BASÍLICA DE SÃO PEDRO - VATICANO


BASÍLICA DE SÃO PEDRO

 A construção da catedral em diferentes momentos pelos criadores do famosos italianos: Bramante, Rafael, Michelangelo, Bernini. No início do século XVII, sob as ordens do Papa, a cúpula de uma fachada, foi consideravelmente ampliada. A altura da fachada é de 45 metros.

A Basílica de São Pedro é uma basílica no Estado do Vaticano, tratando-se da maior das igrejas do cristianismo e um dos locais cristãos mais visitados. Cobre uma área de 23000 m² ou 2,3 hectares (5.7 acres) e pode abrigar mais de 60 mil devotos (mais de cem vezes a população do Vaticano). 
É o edifício com o interior mais proeminente do Vaticano, sendo sua cúpula uma característica dominante do horizonte de Roma, sendo adornada com 340 estátuas de santos, mártires e anjos. 
Situada na Praça de São Pedro, sua construção recebeu contribuições de alguns dos maiores artistas da história da humanidade, tais como Bramante, Michelangelo, Rafael e Bernini.
Foi provado que sob o altar da basílica está enterrado São Pedro (de onde provém o nome da basílica) um dos doze apóstolos de Jesus e o primeiro Papa e, portanto, o primeiro na linha da sucessão papal. 
 
Por esta razão, muitos Papas, começando com os primeiros, têm sido enterrados neste local. Sempre existiu um templo dedicado a São Pedro em seu túmulo, inicialmente extremamente simples, com o passar do tempo, os devotos foram aumentando o santuário, culminando na atual basílica. 
A construção do atual edíficio sobre o antigo começou em 18 de abril de 1506 e foi concluído em 18 de novembro de 1626, sendo consagrada imediatamente pelo Papa Urbano VIII. 
Dentro da Basílica, muitos nichos, todos eles decorados com um grande número de pinturas, estátuas e outras decorações.

A basílica é um famoso local de peregrinação, por suas funções litúrgicas e associações históricas. Como trabalho de arquitetura, é considerado o maior edifício de seu período artístico.
A Basílica de São Pedro é uma das quatro basílicas patriarcais de Roma, sendo as outras a Basílica de São João de Latrão, Santa Maria Maior e São Paulo Extramuros. 
Contrariamente à crença popular, São Pedro não é uma catedral, uma vez que não é a sede de um bispo. Embora a Basílica de São Pedro não seja a sede oficial do Papado (que fica na Basílica de São João de Latrão), certamente é a principal igreja que conta com a participação do Papa, pois a maioria das cerimônias papais são realizadas na Basílica de São Pedro devido à sua dimensão, à proximidade com a residência do Papa, e a localização privilegiada no Vaticano.
O interior da cúpula central. O custo da passagem para o topo – cerca de cinco euros. Elevador – cinco – acesse ou vá a pé, o que claro não só é mais econômico, mas também mais interessante.

Depois da crucificação de Jesus, na segunda metade do primeiro século da era cristã, está registrado no livro bíblico de Atos dos Apóstolos que um de seus doze discípulos, conhecido como Simão Pedro, um pescador da Galileia, assumiu a liderança entre os seguidores de Jesus e foi de grande importância na fundação da Igreja Cristã. 
O nome é Pedro "Petrus" em latim e "Πέτρος" (Petros), em grego, decorrente de "Petra", que significa "pedra" ou "rocha" em grego. Pedro depois de um ministério com cerca de trinta anos, viajou para Roma e evangelizou grande parte da população romana. 
Este é o telhado da Catedral. Pode-se seguramente ir a pé, visitar as lojas de souvenirs. Aproximar-se das estátuas que decoram a parte superior da fachada. Altura de cada uma – mais de cinco metros.

Pedro foi executado no ano 64 d.C durante o reinado do imperador romano Nero, sendo crucificado de cabeça para baixo a seu próprio pedido, perto do Obelisco no Circo de Nero.
Arco na fachada da catedral que é a passagem para o resto do Vaticano. São guardas suíços, que estão a serviço do Papa durante vários séculos. A Guarda Papal é conhecida pelo o mundo inteiro, por seus uniformes.

Os restos mortais de São Pedro foram enterrados fora do Circo, na Colina do Vaticano, a menos de 150 metros (490 pés) a partir do seu local de morte. Seu túmulo foi inicialmente marcado apenas com uma pedra vermelha, símbolo de seu nome. 
No centro da praça está o obelisco Egípcio, trazido para Roma pelo imperador Kaliguloj. Segundo a lenda, no topo do Obelisco, foi a área na qual repousavam as cinzas de Julius Caesar. A propósito, o Obelisco e Plaza Redonda são um relógio de sol.

Um santuário foi construído neste local alguns anos mais tarde. Quase trezentos anos depois, a antiga Basílica de São Pedro foi construída ao longo deste sítio.
A vista do topo da cúpula no telhado da Catedral, onde os turistas  passeiam. A inscrição em latim: "Aqui esteve Papa Pius IX, ano de 1873".

A partir dos anos 1950 intensificaram-se as escavações no subsolo da basílica, após extenuantes e cuidadosos trabalhos, inclusive com remoção de toneladas de terra que datava da corte da Colina Vaticana para a terraplanagem da construção da primeira basílica na época de Constantino, a equipe chefiada pela arqueóloga italiana Margherita Guarducci encontrou o que seria uma necrópole atribuída a São Pedro, inclusive uma parede repleta de grafitos com a expressão Petrós Ení, que, em grego, significa "Pedro está aqui".
 Tumba de São Pedro

Também foram encontrados, em um nicho, fragmentos de ossos de um homem robusto e idoso, entre 60-70 anos, envoltos em restos de tecido púrpura com fios de ouro que se acredita, com muita probabilidade, serem de São Pedro. 
 Pedro - primeiro Papa (estátua de bronze)

A data real do martírio, de acordo com um cruzamento de datas feito pela arqueóloga, seria 13 de outubro de 64 d.C. e não 29 de junho, data em que se comemorava o traslado dos restos mortais de São Pedro e São Paulo para a estada dos mesmos nas Catacumbas de São Sebastião durante a perseguição do imperador romano Valeriano em 257.

ANTIGA BASÍLICA

O imperador Constantino entre 326 e 333 d.C. ordenou a construção da "Antiga" Basilica de São Pedro, sobre o templo simples dedicado ao apóstolo, desta basílica nada restou atualmente, porém ela pode ser quase totalmente reconstruída por descobertas arqueológicas, descrições de peregrinos e desenhos antigos. 
Atual Basílica

Como em quase todas as igrejas da antiguidade, seguiu-se o modelo da basílica cívica romana: um salão retangular, dividido em nave central e naves laterais, que oferecia espaço bastante para a congregação dos fiéis. 
As cerimônias no altar eram realizadas na abside ao final da nave central, bem visíveis a todos. Havia transeptos, uma abside na extremidade ocidental, um grande átrio. 
Um afresco do século XVI na igreja de San Martino ai Monti nos dá uma ideia aproximada da aparência interior, com seu teto em madeira, mas ignoramos tudo sobre estátuas ou pinturas.
A basílica atual, com estrutura renascentista e barroca, foi erguida sobre a antiga, o que exigiu que o edifício fosse orientado para oeste, mas também que a necrópole antiga fosse aterrada, sendo construídas muralhas de suporte para criar uma enorme base que servisse como alicerce.
A famosa Praça de São Pedro. Em frente à catedral que os limites do estado são apenas no perímetro da Praça. 

Na plataforma, construiu-se então a basílica, com nave central e quatro naves laterais, ricamente adornada com afrescos e mosaicos e um grande átrio dianteiro, com colunas. Muitas vezes alterado e restaurado, o edifício de Constantino, conhecido como velha igreja de São Pedro, sobreviveu até o início do século XVI.
Durante o exílio dos papas em Avinhão, de 1309 a 1377, ficou muito deteriorada e perdeu-se grande parte de sua magnificência. O desejo de uma igreja de grandiosidade apropriada para servir à cristandade, assim como a transferência da residência papal para o Vaticano, fez nascer planos de uma igreja nova. 
Sob o papado de Nicolau V (pontificado de 1447 a 1455) os trabalhos tiveram início num coro novo e no transepto, mas foram logo abandonados por falta de recursos.
No pontificado de Júlio II (1503 a 1513) decidiu-se afinal derrubar a igreja velha e em 18 de abril de 1506 Bramante recebeu o encargo de desenhar a nova basílica. 
Seus planos eram de um edifício centralmente planificado, com um domo colocado sobre o centro de uma cruz grega (com braços de idêntico tamanho), forma que correspondia aos ideais da Renascença por copiar a de um mausoléu da antiguidade. 
 
Uma sucessão de papas e arquitetos nos 120 anos seguintes participariam da construção que culminou no edifício atual. Iniciada por Júlio II, continuando nos pontificados do Papa Leão X (1513-1521), Papa Adriano VI (1522-1523). 
Papa Clemente VII (1523-1534), Papa Paulo III (1534-1549), Papa Júlio III (1550-1555) , Papa Marcelo II (1555), Paulo IV (1555-1559), Papa Pio IV (1559-1565), Papa Pio V (santo) (1565-1572), Papa Gregório XIII (1572-1585), Papa Sisto V (1585-1590), Papa Urbano VII (1590), Papa Gregório XIV (1590-1591), Papa Inocêncio IX (1591), Papa Clemente VIII (1592-1605), Papa Leão XI (1605), Papa Paulo V (1605-1621), Papa Gregório XV (1621-1623), Papa Urbano VIII (1623-1644) e Papa Inocêncio X (1644-1655).
Em 1517 o Papa Leão X ofereceu indulgências para aqueles que dessem esmolas para ajudar na reconstrução da Basílica de São Pedro. O agressivo marketing de Johann Tetzel em promover esta causa provocou Martinho Lutero a escrever suas 95 Teses (Tetzel seria inclusive punido por Leão X por seus sermões, que ia muito além ensinamentos reais sobre as indulgências). 
A cúpula localizada mais na parte posterior não é vista diante da fachada.  Costuma-se formar extensas filas para entrar.

Embora Lutero não negasse o direito do Papa ou da Igreja de conceder perdões e penitências, exigia a correção de abusos na prática.
Um século mais tarde o edifício ainda não estava completado. 
Para facilitar a circulação de turistas e fiéis não há bancos. Vista logo à entrada da basílica

A Bramante sucederam, como arquitetos, Rafael, Fra Giocondo, Giuliano da Sangallo, Baldassare Peruzzi, Antonio da Sangallo. O Papa Paulo III (pontificado de 1534-1549) em 1546 entregou a direção dos trabalhos a Michelangelo. 
Logo à entrada, à direita, encontra-se uma das mais famosas esculturas de Michelangelo – a Pietà (lindíssima !)

 Este, aos 72 anos, deixou-se fascinar pela cúpula, concentrando nela os seus esforços, mas não conseguiu completá-la antes de sua morte em 1564. O zimbório é visível de toda a cidade de Roma, dominando seus céus e tem diâmetro de 42 m, ligeiramente menor ao domo do Panteão, mas é mais imponente por ser muito mais alto, com 132,5 m.
Graças a seus planos e a um modelo em madeira, seu sucessor, Giacomo della Porta, foi capaz de terminá-la com ligeiras modificações. O modelo segue o da famosa cúpula que Brunelleschi ergueu na catedral de Florença e cria impressão de grande imponência. 
A diferença é que, ao contrário do que Michelangelo planejou, não se trata de uma cúpula semicircular mas afunilada, criando um movimento de impulso para cima até culminar na lanterna cujas janelas, inseridas em fendas entre duas colunas, deixam a luz inundar o interior. 
Terminada em 1590, ainda é uma das maravilhas da arquitetura ocidental. Vignola, Pirro Ligorio, Giacomo della Porta continuaram os trabalhos na basílica.
Mudanças na liturgia, introduzidas pelo Concílio de Trento, fizeram necessárias outras mudanças sob o pontificado do Papa Paulo V (1605 a 1621), que encarregou Carlo Maderno de aumentar para o leste o edifício, aumentando a nave e criando assim uma cruz latina. Completou também em 1614 a famosa fachada.


Em 1629, Gian Lorenzo Bernini, agora o arquiteto principal, começou a construir as torres sineiras na fachada, que ruíram por deficiências estruturais. 


 Pietà novamente

Trinta anos mais tarde Bernini redesenharia a Praça de São Pedro, mudando alguns aspectos do domo de Michelangelo e, sobretudo, unificando todos os edifícios em um conjunto harmonioso.
Giacomo della Porta e Fontana concluiu a cúpula em 1590 durante o pontificado do Papa Sisto V. O papa que o sucedeu financiou a colocação das inscrições em honra a Sisto V na entrada da basílica. 


O Papa Clemente VIII liderou a colocação da cruz latina na cúpula, evento acompanhado pelo soar dos sinos de toda a cidade de Roma. Segundo a tradição, nesta cruz estão contidas partes da Vera Cruz e relíquias de Santo André.


Já em meados do século XVIII, rachaduras apareceram na cúpula e os arquitetos empenhados na construção do restante da basílica tiveram de se concentrar no domo e planejaram a colocação de anéis de ferro na obra prima de Michelangelo.


Na cúpula jaz a inscrição:
S. Petri pp sixtvs gloriae. V. A. m. d. xc. Pontif. V. (Para a glória de São Pedro; Sisto V, Papa, no ano de 1590 e quinto ano do seu pontificado.)
Os trabalhos terminaram oficialmente quando se acrescentou uma sacristia, sob o pontificado do Papa Pio VI (1775-1799).
 Mais de uma centena de estátuas de santos, mártires e anjos adornam a parte externa da Basílica.

Uma das portas laterais da Basílica



 Vários Papas estão enterrados na Basílica

Baldaquino (espécie de dossel sustentado por colunas de onde pendem cortinados sobre um objeto ou pessoa). De bronze dourado, de quase 30 metros de altura, construído de 1624 a 1633. Dos plintos em mármore, que mostram o escudo de armas do papa, erguem-se quatro colunas torcidas que suportam o peso do baldaquino com um globo e uma cruz. O desenho é exuberante, cheio da energia e movimento próprios ao Barroco, a solução ideal para o imenso espaço aberto no interior pelo domo central.

Altar do Baldaquino

Túmulo de João Paulo II

 
2009

2 comentários:

  1. carmen lins de carvalho21 de julho de 2013 16:52

    Quanta informação valiosa,Denise! E você viu ao vivo, hein! Legal demais!

    ResponderExcluir